Este site utiliza código Javascript.
Estou em: » Sobre o ocorrido com adolescente na unidade do Telégrafo (UITEL)

Sobre o ocorrido com adolescente na unidade do Telégrafo (UITEL)

 

No início da manhã do dia 8, técnicos da Funcap constataram a morte de um adolescente de 16 anos, na Unidade de Internação do Telégrafo (UITel), quando dos procedimentos de troca de plantão.


O adolescente, que dividia o quarto-cela com outros quatro socioeducandos de 16 e 17 anos, foi encontrado com marcas de violência no pescoço.
 

Foram chamadas a Companhia Especial de Polícia Assistencial (CIEPAS) e equipe do Instituto Médico Legal para realização dos procedimentos de vistoria e perícia do local do ocorrido. O corpo do adolescente foi removido ao IML para necropsia e posteriormente trasladado para o município de Salinópolis, região nordeste do estado.

 

Os quatro adolescentes que dividiam o quarto-cela com a vítima  foram encaminhados à Divisão de Atendimento do Adolescente (DATA), juntamente com os seis técnicos que estavam de plantão no momento do ocorrido, para prestarem depoimentos. Na DATA, um adolescente de 16 anos confessou o ato infracional.

 

De acordo com a gerência da unidade e com os técnicos que davam assistência ao adolescente vitimado, não há registro de desavenças, intrigas ou hostilidades entre o adolescente confesso e a vítima.


No dia do ocorrido, a Funcap enviou um médico e um psicólogo ao município de Salinópolis, para prestar todo o apoio necessário à família do adolescente, incluindo despesas funerais. O corpo do adolescente foi velado na casa da família e o enterro realizado no cemitério municipal daquele município.

 

O adolescente cumpria medidas socioeducativas na Funcap havia cinco meses, baseadas no artigo 157, do Código Penal Brasileiro.

 

A Funcap iniciará processo administrativo para averiguar a fundo o ocorrido e punir responsáveis, se for o caso.

 

A Unidade de Internação do Telégrafo possui hoje (10/02/10) 12 adolescentes, número que atende a capacidade (15). No total, 272 adolescentes, entre masculinos e femininos (capital e interior), são assistidos pela Fundação.

 

O caso foi apresentado ao Juizado e à Promotoria da Infância e Juventude de Belém.

 

 
 

Desenvolvimento: PRODEPA Usando CMS livre - Drupal Sítio Acessível