Este site utiliza código Javascript.
Estou em: » Novos servidores participam de formação sobre Práticas Restaurativas

Novos servidores participam de formação sobre Práticas Restaurativas

O Núcleo de Práticas Restaurativas (NPR) encerrou hoje, 3 de setembro o primeiro momento da formação básica em práticas restaurativas com os novos servidores da Fundação de Atendimento Socioeducativo do Pará (Fasepa). Devido a pandemia, as turmas foram divididas em 4 dias: 26 e 27 de agosto, 2 de setembro e hoje. 


A formação foi realizada no auditório da Fasepa, e contou com a presença de 70 servidores, que puderam aprimorar um pouco mais seus conhecimentos sobre a filosofia da justiça restaurativa, que originou a metodologia de práticas restaurativas muito utilizada no contexto socioeducativo. 


De acordo com a psicóloga e coordenadora do NPR, Erika Nayara, os ciclos restaurativos vêm sendo eficazes, promovendo aos socioeducandos caminhos à autonomia, ressignificação de valores e possibilidade de integração social satisfatória. A coordenadora falou também que "o objetivo desse encontro é garantir a efetivação da proposta sociopedagógica do atendimento socioeducativo, por meio das práticas restaurativas. As práticas possibilita momentos de diálogos seguros e reais, para que ocorra transformações nesses espaços".

 


A Fasepa busca sempre uma atuação de forma cada vez mais socializada e não violenta, e para continuar esse trabalho com os novos servidores, o NPR desenvolveu essa formação. O foco é humanizar o atendimento, mas, além disso, criar referências de práticas restaurativas para que os servidores possam estar aplicando dentro de cada unidade segundo segundo a psicóloga do NPR, Tereza Caleja. "É mais um instrumento de trabalho, essa metodologia vem para enriquecer mais o nosso trabalho de socioeducador. Então, através desse conhecimento a gente busca formar servidores para um atendimento mais humanizado", disse a psicóloga.

 

 

 

Através de palestras, gincanas e interações, os novos servidores puderam conhecer um pouco mais sobre a justiça restaurativa. A servidora, Anna Brígida, que é assistente social na Unidade de Atendimento Socioeducativo de (UASE) Ananindeua, participou da formação, e conta sobre o encontro: “é muito importante que a gente possa se aprimorar nesse conteúdo, para que possamos garantir da melhor forma possível os direitos dos adolescentes que estão nesse momento de desenvolvimento".

 

 

 

Texto: Eduardo Quemel/ Ascom Fasepa

Revisão: Franklin Salvador/ Ascom Fasepa

Fotos: Ascom Fasepa

 

 

imagem: 
Imagem ilustrativa da notícia.
Desenvolvimento: PRODEPA Usando CMS livre - Drupal Sítio Acessível