Este site utiliza código Javascript.
Estou em: » Programação celebra formatura de adolescentes em unidade socioeducativa

Programação celebra formatura de adolescentes em unidade socioeducativa

Ao final da semana passada, o empenho e a dedicação marcaram positivamente a vida e a trajetória estudantil de quatro adolescentes que cumprem medida socioeducativa de internação no Centro Socioeducativo Feminino (Cesef), com a solenidade da primeira formatura de conclusão da 4º etapa, que corresponde a 7º e 8º série do ensino fundamental realizada no espaço.


O encontro é fruto da parceria entre a Fundação de Atendimento Socioeducativo do Pará (Fasepa) e a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), através da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Prof. Antônio Carlos Gomes da Costa, por meio de um convênio de cooperação técnica celebrado entre as duas instituições desde 2006/2007, portanto, há 14 anos. Por terem mais de 15 anos de idade, as adolescentes fazem parte da modalidade de ensino criada pelo Governo Federal destinada a jovens, adultos e idosos que não tiveram acesso à educação na escola convencional na idade apropriada, denominada Educação de Jovens e Adultos (EJA).


A professora e coordenadora pedagógica da Seduc, Socorro Vale, disse que o processo de educar na medida socioeducativa é, antes de qualquer coisa, entender que as adolescentes estão privadas de liberdade, mas não de direitos. “Esse direito nós temos que garantir a elas assim como ao lazer, a cultura, ao conhecimento, as artes de maneira geral, as diferentes áreas do conhecimento”. E finalizou: “O objetivo da educação na socioeducação é fazer com que elas se sintam partícipes de uma sociedade e fazer dela um lugar melhor para se viver”, refletiu a educadora, visivelmente emocionada por fazer parte desse processo.

 

                                                                                                                        

Não fossem alguns pequenos detalhes pouco perceptíveis até mesmo àqueles mais atentos, jamais diriam que aquele cenário de celebração se passava em uma unidade socioeducativa, tamanha era a atmosfera de esperança e positividade criada por todos os presentes no ato das congratulações com direito a beca de formatura, placas com o nome das formandas, medalhas, troféus, decoração, confetes e serpentinas, entre outros.

 

   


“Esse momento é muito importante e especial porque eu desacreditei que um dia eu pudesse conseguir. Lá fora a gente leva uma vida de outra forma, e eu estou muito feliz, até porque a minha mãe está aqui presente”, destacou uma adolescente de 16 anos, que é do município de Parauapebas, interior do Pará. Para ela, “a medida socioeducativa ajudou muito porque foi através desse momento em que eu voltei a sonhar e acreditar no meu potencial”, declarou a adolescente que a partir de agora terá pela frente novos desafios e responsabilidades no ensino médio.

 

                                                             

 

Atualmente a Fasepa está com 360 adolescentes e jovens inseridos em atividades pedagógicas, escolarização, cursos e oficinas profissionalizantes visando à inserção desse público no mundo do trabalho, estágios em instituições públicas e da iniciativa privada parceiras da socioeducação.


Na ocasião, representando o presidente da Fasepa, Miguel Fortunato, a assistente social da Diretoria de Atendimento Socioeducativo (DAS), Ângela Eneida, enalteceu o trabalho e a participação de toda a comunidade socioeducativa, parabenizou as moças e ressaltou que “esse momento representa o primeiro de muitos passos que, certamente, vocês ainda irão dar em direção a uma carreira profissional”.


E acrescentou: “Em breve vocês estarão saindo daqui, e o meu desejo é que continuem nessa caminhada, que dentro de alguns anos, nós teremos conhecimento do ingresso de vocês em uma universidade. A socioeducação só pode ser considerada positiva, com a participação e o trabalho coletivo”, concluiu Ângela.


PERSISTÊNCIA – Nem mesmo a falta de oportunidade de estudar quando mais nova fez com que a mãe de uma das adolescentes deixasse de incentivar a filha sobre o papel transformador que a educação tem na vida de qualquer pessoa, inclusive na dela que voltou a estudar depois de anos afastada do ambiente escolar. “Independente do que vocês fizeram, a gente dedica a nossa vida por vocês para que não se sintam deprimidas e abandonadas. Cada uma de nós passa por lutas, batalhas para está aqui. Não desistam. A gente percebe que eles educam vocês com amor, carinho, garra e coragem. Então abracem tudo o que eles estão dando para vocês”, ressaltou a genitora.

 

texto e fotos: Alberto Passos/ Ascom Fasepa
 

imagem: 
Imagem ilustrativa da notícia.
Desenvolvimento: PRODEPA Usando CMS livre - Drupal Sítio Acessível